Blogs Portugal

Siga por Email

Sinopse: Todas as manhãs ele lê para ela, de um caderno desbotado pelo tempo, uma história de amor que ela não recorda nem compreende. Um ritual que se repete diariamente no lar de idosos onde ambos vivem agora. Pouco a pouco, ela deixa-se envolver pela magia da presença dele, do que ele lhe lê, pela ternura dele...E o milagre acontece. A paixão renasce, transpõe o abismo do tempo, o abismo da memória, e por instantes ela volta para ele...Apesar da doença. Mas haverá mais.
Todos os dias, ele lê-lhe a história de um simples rapaz sulista e de uma rapariga destinada a brilhar na high society. A primeira paixão, clara como uma manhã orvalhada de maravilha e descoberta. Afastados depois pela impiedoso exigência do abismo que os separa. Catorze anos mais tarde, ele é um sobrevivente da guerra e ela está a poucos dias de tornar-se a mulher de outro homem. Mas volta por uma necessidade imperiosa de o rever. O reencontro traz de novo toda a magia. Terá o amor poder suficiente desta vez? Mas haverá mais. Sempre.

Opinião: Quando lemos um livro pela primeira vez, cujo filme já foi repetido uma dezena de vezes na televisão a experiência é completamente diferente. Quando as personagens já são nossas conhecidas e, já nos são queridas há uma tendência para ver para lá das palavras. A nossa imaginação voa para as imagens que conhecemos e rapidamente ultrapassamos os pequenos defeitos que possam haver. Isso aconteceu-me com O Diário da Nossa Paixão. Um livro tão diferente da sua adaptação cinematográfica mas, ao mesmo tempo, tão parecido.

Ler Mais


Opinião: Tal como na primeira temporada, procurei ver os episódios à medida que ia avançando na leitura. Um livro de cada vez, era o meu plano, que, para ser sincera, parecia bastante simples. O que eu não contava, porque não aconteceu na primeira temporada, era afeiçoar-me de tal modo à série e aos personagens que me vi incapaz de parar. Os dez episódios passaram a voar. A leitura, pela primeira vez, ficou em segundo lugar - ainda continua em segundo lugar à medida que vou avançando para a terceira temporada - o que é uma surpresa já que o mantra da minha vida é: o livro é melhor que o filme - neste caso série.
Ao contrário do que acontece com a primeira temporada que tem uma aura de mistério e de suspeita à volta da morte de Jon Aryn e que se centra sobretudo na personagem de Eddar Stark, a segunda temporada possui um arco completamente diferente, uma vez que há um rei em cada esquina, as personagens estão divididas por todo Westeros e para lá da Muralha e a sombra de não uma, mais várias guerras ganha forma no nevoeiro. Nesta segunda temporada, surgem novos locais, alguns exóticos, outros nem tanto, assim como novas personagens sobre quem reflectir e criar suposições, algo positivo, visto que Ned Stark foi, para mim, o coração de Game of Thrones durante a primeira temporada agora está, para sempre, ausente.

Ler Mais


Sinopse: Há anos que Kahlen segue as regras, esperando pacientemente pela vida que poderá considerar sua. Mas quando Akinli, um ser humano, entra no seu mundo, ela não consegue continuar a viver segundo as regras. De repente, a vida pela qual tem esperado não parece tão importante como a que está a viver agora

Opinião: Este não é o meu primeiro livro de Kiera Cass e, certamente não será o último. O tópico do romance também não me é estranho, ou à autora que conquistou milhares de leitores com as dúvidas intermináveis de América Singer, no entanto, A Sereia, ao contrário de A Seleção apresenta um tom muito mais mórbido e muito mais questionável do que um grupo de raparigas que aparecem num reality show
Em A Sereia a protagonista é uma assassina. A autora brincou com vários aspectos da mitologia no que toca às raparigas com caudas de peixe mas dois mantiveram-se incólumes: a beleza e a voz. Mas, a forma como decidiu descrever os assassinatos, os afogamentos, a própria indecisão e depressão da protagonista e das suas companheiras pareceu-me fria, egoísta e demasiado questionável para ser capaz de ver para lá disso. Não achei que foi um trabalho completo ou que deixasse a sua marca. A própria personagem de Oceano soou-me a forçada. Não consegui afundar-me no mundo de Kahlen. Não consegui ver para lá da morte e, principalmente, para a justificação dela, ou de frases como: "Apesar de Ela me aterrorizar, sinto o amor por baixo da Sua agressão". Não foi algo com o qual me conseguisse identificar.

Ler Mais


Sinopse: Simon Spier tem 16 anos e os únicos momentos em que se sente ele próprio são vividos atrás do computador. 
Quando Simon se esquece de desligar a sessão no computador da escola, os seus emails pessoais ficam expostos a um dos colegas que ameaça revelar os seus segredos, a não ser que Simon lhe faça um favor. 
Simon vê-se, assim, obrigado a enfrentar as suas emoções e a assumir quem verdadeiramente é perante o mundo inteiro. 
Uma história delicada que explora com naturalidade e humor a difícil tarefa que é amadurecer

Opinião: O Coração de Simon Contra o Mundo, uma das novas apostas da Porto Editora e em breve uma adaptação cinematográfica, revelou-se um livro verdadeiro e profundo em mais do que um sentido, o que foi uma surpresa. Há muito tempo que não me debruçava sobre as páginas de um contemporâneo onde cada um dos intervenientes, desde os amigos ao fundo da página, aos pais, surgem como pessoas com mais do que duas camadas, com defeitos e qualidades que somos capazes de reconhecer por entre as linhas. 
O título original Simon VS The Homosapien Agenda encaixa na perfeição na tonalidade do livro. A autora, Becky Albertalli fez, com Simon Spier, o leitor importar-se e tornar-se conhecedor das dificuldades ou, se não das dificuldades, das emoções pelas quais uma pessoa homosexual passa no processo de se dar a conhecer ao mundo.

Ler Mais


Sinopse: Todos conhecem a história profundamente dramática da jovem Anne Frank. Publicado pela primeira vez em 1947, por iniciativa do seu pai, o Diário veio a revelar-se ao mundo o que fora, durante dois longos anos, o dia-a-dia de uma adolescente condenada a uma voluntária auto-reclusão, para tentar escapar à sorte dos judeus que os alemães haviam começado a deportar para supostos "campos de trabalho".
Tentativa sem final feliz. Em Agosto de 1944 todos aqueles que estavam escondidos no pequeno anexo secreto onde a jovem habitava foram presos. Após uma breve passagem por Westerbork e Auschwitz, Anne Frank acaba então por ir a Bergen-Belsen, onde vem a morrer em Março de 1945, a escassos dois meses do final da guerra na Europa.

Opinião: O Diário de Anne Frank não é uma leitura nova para mim. O meu exemplar está mais do que usado. Era uma leitura frequente quando era mais nova mas já se passaram anos desde a última vez que o li e, embora os pormenores continuem frescos, quis relê-lo uma vez mais. Foi uma experiência de leitura completamente diferente, infelizmente baseado em factos mais do que reais, já que fui vendo vários documentários sobre o Holocausto, Anne Frank, Otto Frank  e Miep, relatos que complementaram a minha leitura, que me deram não só uma ideia do mundo exterior, como da vida daqueles que ajudaram a família Frank. Documentários que relataram o dia em que as oito pessoas que viviam no Anexo Secreto foram levadas pela SS.

Ler Mais


Sinopse: A obra "O Cavaleiro da Dinamarca", de Sophia de Mello Breyner Andresen, é uma narrativa infanto-juvenil que procura traçar o percurso de um Cavaleiro dinamarquês que, deixando a sua família, enceta uma peregrinação à Terra Santa. A narrativa conta-nos as peripécias dessa viagem, bem como o seu regresso ao lar.

Opinião: Tal como A Menina do Mar, O Cavaleiro da Dinamarca foi um, de uma lista interminável de livros de leitura obrigatória. Na escola, as aventuras do cavaleiro dinamarquês foram avaliadas ao pormenor, retirando qualquer prazer à leitura. Agora, anos mais tarde, uma maratona levou-me a relê-lo. Uma leitura de uma hora, rápida que me fez voltar atrás no tempo. Uma prosa simples, mas repleta de aventuras, tão diferente de A Menina do Mar. Posso dizer com toda a confiança que apreciei muito mais a leitura deste livro. A complexidade dentro da simplicidade - se é que tal faz sentido, - deixaram-me encantada e as histórias dentro da história levaram-me a sorrir em alguns pontos, principalmente com as aventuras de Dante no mundo para lá deste e dos portugueses que desvendavam as águas para lá da Europa.

Ler Mais