Sinopse: A vida de Nora Grey continua longe de ser perfeita. Sobreviver a um ataque que podia ter-lhe custado a vida não foi fácil, mas tudo se resolveu, graças ao seu anjo da guarda ¿ uma criatura misteriosa, sedutora e bela.
Mas Patch tem sido tudo menos angelical. Está mais distante do que nunca e parece estar a passar demasiado tempo com a arqui-inimiga de Nora, Marcie Millar. E, como se isso não bastasse, Nora é assombrada por recordações do seu pai assassinado, começando a pensar que as intrigas dos anjos poderão estar relacionadas com a morte dele.
Desesperada por desvendar os estranhos acontecimentos do seu passado, Nora expõe-se ao perigo, na esperança de encontrar algumas respostas.
Mas todos sabemos que há perguntas que nunca devem ser feitas...


Opinião: Depois de Hush Hush não consegui controlar-me o suficiente para não começar a ler Crescendo, o segundo volume da série de Becca Fitzpatrick. Mais uma vez, não foi a minha primeira - ou segunda, ou terceira - leitura e, ainda assim, dei por mim a voar pelas páginas - já familiares - e a acabar o livro em tempo recorde. Por vezes, durante a nossa vida de leitores, se tivermos sorte, deparamos-nos com um ou outro livro que, de alguma forma, é capaz de consumir metade do nosso dia e pensamento não importa o quão mau possa ser/parecer para outras pessoas. É um guilty pleasure.

Ler Mais


Sinopse: Um bonito abeto sonha ser grande como as árvores à sua volta. Com o passar do tempo, transforma-se numa árvore robusta. Enquanto crescia, observa algumas das outras árvores grandes a serem cortadas. "Para onde as levarão?", interrogava-se ele. Os pardais deram-lhe a resposta: serviam para enfeitar as casa no Natal, com dezenas de luzinhas e presentes. E ele desejou que lhe acontecesse o mesmo...


Opinião: Na sequência da Xmas-A-Thon fui desafiada a ler um conto de Natal. O Abeto de Natal de Hans Christian Andersen pareceu-me - na altura - a melhor opção e, uma vez que não conhecia o livro - ou pelo menos não me recordava da história, - achei que era uma coincidência perfeita. Não é um livro excepcionalmente grande, pelo contrário. É um livro surpreendentemente pequeno. A escrita é simples e própria para crianças. Mas, tal não é o meu espanto, quando me deparo com um conto que não é alegre, não tem uma mensagem feliz e termina de forma abrupta, o que me deixou surpreendida. 

Ler Mais


SinopseApaixonar-se não fazia parte dos planos de Nora Grey. Nunca se sentira atraída por nenhum dos rapazes da sua escola, apesar da insistência de Vee, a sua melhor amiga.
Então, aparece Patch. Com um sorriso fácil e uns olhos que mais parecem trespassar-lhe a alma, Patch seduz Nora, deixando-a completamente indefesa.
Mas, após uma série de encontros assustadores com Patch, que parece estar sempre onde ela está, Nora não consegue decidir se há de cair-lhe nos braços ou fugir sem deixar rasto.
Em busca de respostas para o momento mais confuso da sua vida, Nora dá consigo no centro de uma antiga batalha entre imortais. E quando é chegada a altura de escolher um rumo, a opção errada poderá custar-lhe a vida.


Opinião: Hush Hush de Becca Fitzpatrick é um velho favorito. A primeira vez que o li tive a sensação de ser arrancada do meu mundo aborrecido e transportada para outro completamente diferente e muito mais excitante. Hush Hush tornou-se popular numa época pós-crepúsculo onde um BUM de livros paranormais e de fantasia levaram ao consumo excessivo do género mas, ainda assim, conseguiu captar a minha atenção o suficiente para o reler mais vezes do que aquelas que estou disposta a admitir. É uma leitura rápida e fácil. A complexidade depende se há ou não um conhecimento prévio aos elementos mais fictícios da história mas, mesmo esses são apresentados de forma simples e a autora é relativamente simpática ao tornar a linha temporal fácil de seguir.

Ler Mais



Opinião: A Rapariga que Roubava Livros de Markus Zusak é um livro belíssimo. Uma história narrada pela própria Morte num dos períodos mais negros da humanidade. A sua leitura foi uma experiência maravilhosa e emocionante. Nela, o autor elevou o uso e a importância das palavras o que fez com que fosse extremamente fácil criar uma conexão com a protagonista, Liesel Meminger. A premissa resulta de uma ideia fenomenal e a versão cinematográfica não ficou aquém das expectativas.

Ler Mais


Sinopse: Mara Dyer knows she isn't crazy. She knows that she can kill with her mind, and that Noah can heal with his. Mara also knows that somehow, Jude is not a hallucination. He is alive. Unfortunately, convincing her family and doctors that she's not unstable and doesn't need to be hospitalised isn't easy. The only person who actually believes her is Noah. But being with Noah is dangerous and Mara is in constant fear that she might hurt him. She needs to learn how to control her power, and fast! Together, Mara and Noah must try and figure out exactly how Jude survived when the asylum collapsed, and how he knows so much about her strange ability... before anyone else ends up dead!

#Xmas-a-Thon

Opinião: The Evolution of Mara Dyer é o segundo volume da trilogia da Mara Dyer escrita por Michelle Hodkin. O primeiro volume, The Unbecoming of Mara Dyer foi uma surpresa muito boa, possuindo tudo o que adoro num livro do género YA e The Evolution of Mara Dyer não ficou atrás. Na minha primeira review, afirmei que o plot da autora seguia a mesma linha que "uma dezena de milhares de outros livros YA" e, apesar de continuar com a mesma opinião, neste segundo volume, a autora distancia-se de livros como Twilight, Hush Hush ou Fallen. Já não são necessárias apresentações e, portanto não há se não espaço para o crescimento das personagens e para o desenvolvimento da história.

Ler Mais


Sinopse: Emma Carstairs vingou finalmente a morte dos pais, mas o sabor da vingança não é tão doce como imaginara.
Dividida entre o desejo proibido que sente por Julian Blackthorn, o seu parasitai, e a consciência da terrível tragédia que se abaterá sobre eles se esse amor for consumada, Emma simula uma relação amorosa com Mark, o irmão mais velho de Julian.
Mark, contudo, passou os últimos cinco anos da sua existência em Faerie...será que alguma vez vai conseguir esquecer o êxtase da Caçada Selvagem e abraçar de corpo e alma a sua condição de Caçador de Sombras?
Entretanto, em Faerie, as cortes não estão silenciosas. O rei Unseelie conspira o fim de toda a comunidade de Nefelins, e a rainha da Corte Seelie é uma aliada falível da causa dos Caçadores de Sombras. Uma reviravolta no instável xadrez da Paz Fria, para a qual contribuirá o regresso do Livro Negro dos Mortos e a sua promessa de destruição.
Opinião: O Senhor das Sombras de Cassandra Clare, decorre no mundo dos Caçadores de Sombras e é o segundo volume dos Artifícios Negros ou Dark Artifices. Depois de Lady Midnight é o livro pelo qual esperei durante demasiado tempo e, posso dizer com toda a certeza que, de todos os livros do mesmo universo - incluindo Instrumentos Mortais e As Origens - O Senhor das Sombras é o livro mais bem desenvolvido, o mais emotivo e o mais sofisticado. A escrita da autora melhorou imenso desde A Cidade dos Ossos, publicada precisamente há 10 anos e as histórias e o seu conteúdo têm melhorado e têm se aprofundado de livro para livro.

Ler Mais


SinopseEste é o volume final da saga «A Seleção», que apaixonou milhares de leitores por todo o mundo! Em A Herdeira, o universo de A Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira a passar pela sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração tem uma maneira estranha de surpreender-nos... E agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.



Opinião: A Coroa continua com Eadlyn Schreave, a primogénita de America Singer e Maxon Schreave e a primeira na linhagem ao trono, a lidar com os acontecimentos finais de A Herdeira e a tomar a decisão de aceitar a sua condição de regente enquanto protectora do povo de Ílea e a tomar consciência do caminho solitário que está prestes a percorrer. Neste último volume, Eadlyn para além de ser obrigada a colocar em uso todas as lições que aprendeu ao longo dos anos em relação ao governo de um país, é igualmente obrigada a encontrar um marido e príncipe consorte por motivos confusos e que não foram bem explorados.

Ler Mais


Sinopse: Robert Langdon, conceituado simbologia de Harvard, está em Paris para fazer uma palestra quando recebe uma notícia inesperada: o velho curador do Louvre foi encontrado morto no museu, e um código indecifrável encontrado junto do cadáver. Na tentativa de decifrar o estranho código, Langdon e uma dotada criptologista francesa, Sophie Neveu, descobrem estupefactos uma série de pistas inscritas nas obras de Leonardo Da Vinci, que o pintor engenhosamente disfarçou. 
Tudo se complica quando Langdon descobre uma surpreendente ligação: o falecido curados estava envolvido com o Priorado de Sião, uma sociedade secreta a que tinham pertencido Sir Isaac Newton, Botticelli, Victor Hugo e Da Vinci, entre outros


Opinião: Em pleno século XXI Dan Brown com O Código Da Vinci reacendeu o debate sobre a manipulação da Igreja Católica sobre o cristianismo e sobre a forma - quase nunca correcta, quase nunca humanamente moral, - de manter uma imagem pura e divina. Para alguns, O Código Da Vinci pode ser o primeiro contacto literário com a purga da Igreja e com a forma repressiva com que lidaram com quem não lhes convinha. Esta não é a minha primeira leitura - ou segunda. O meu Código Da Vinci é um livro velho e usado, cujas páginas já foram percorridas meia dúzia de vezes.

Ler Mais



Assim como no Natal passado vou vou participar na Maratona de Natal do grupo Tuga-a-Thon do Facebook que é organizada pela Ordem d'Avis e que vai começar no dia 15 de Novembro e termina dia 31 de Dezembro. 
O objectivo é o de ler e concretizar o maior número de desafios e, neste caso, vou tentar ao máximo relacionar os desafios propostos com a TBR da #MLOutonoInverno2017.

Ler Mais


Sinopse: Se alguma vez perguntaste a ti próprio de onde veio a Snitch Dourada, como é que surgiram as Bludgers ou por que razão os Wigtown Wanderers têm a imagem de cutelos estampada no seu traje, deves ler O Quidditch Através dos Tempos. Esta edição limitada é uma reprodução do exemplar que se encontra na Biblioteca da Escola de Hogwarts, onde é quase diariamente consultado pelos jovens adeptos do Quidditch.Os lucros obtidos com a venda deste livro reverterão a favor do Movimento Comic Relief, que utilizará o teu dinheiro para continuar a implementar acções que permitirão ajudar os mais necessitados e a salvar muitas vidas - acções essas que são ainda mais importantes e admiráveis que o tempo de três segundos e meio que Roderick Plumoton levou a apanhar a Snitch Dourada em 1921.


Opinião: Quidditch Através dos Tempos não pode ser considerado um livro com nome próprio. À semelhança do que acontece com Monstros Fantásticos e Onde Encontrá-los e ao contrário de Os Contos de Beedle, o Bardo, não há uma história concreta com início, meio e fim. Não há personagens. Quidditch Através dos Tempos actua como uma enciclopédia do jogo mais famoso entre  os feiticeiros do mundo criado por J.K.Rowling para uma causa altruísta. Nele aprendemos sobre a origem das regras, as faltas e o motivo pelo qual os feiticeiros escolheram a vassoura como meio de transporte.

Ler Mais


Sinopse: Virei-me para sair, mas a porta fechou-se a poucos centímetros da minha cara. De repente, um vento pareceu soprar através da sala e as fotografias nas paredes chocalharam. Quando me virei de novo para as raparigas, estavam as três a sorrir, os cabelos a ondularem-lhes a volta dos rostos como se estivessem debaixo de água.
O único candeeiro de sala tremeluziu e apagou-se. Eu apenas conseguia distinguir faixas prateadas de luz que passavam sob a pele das raparigas, como mercúrio. Até os seus olhos brilhavam.
Começaram a levar, as pontas dos sapatadas regulamentares de Hecate mal tocando a carpete musgosa. Agora, já não eram rainhas do baile de finalista, nem supermodelos - eram bruxas e até pareciam perigosas.
Apesar de me debater contra a vontade de cair de joelhos e colocar as mãos acima da cabeça, pensei, "Eu também seria capaz de fazer aquilo?".


Opinião: Hex Hall de Rachel Hawkins foi o que eu esperava dele: um livro de uma complexidade mediana,  de leitura rápida e que entretém. A premissa inicial é bastante simples: Sophie Mercer, a protagonista e uma bruxa que adquiriu os seus poderes aos treze anos de idade, é enviada para Hex Hall, uma espécie de escola correctiva para Pródigos (diga-se de passagem, lobisomens, mutáveis, fadas, bruxas e feiticeiros) para aprender a controlar os seus poderes e não ser apanhada no mundo humano por vários grupos de fanáticos que querem qualquer criatura com poderes morta.

Ler Mais



Opinião: Riverdale é uma série do canal The CW baseada nas personagens da BD Archie Comics, Archie Andrews, Betty Cooper, Jughead Jones e Veronica Lodge, criados por John L. Goldwater e escritos por Vic Bloom. Não conheço a BD. Não tenho qualquer conhecimento sobre as histórias ou conceitos sobre o qual se debruça. Não estou familiarizada com o trabalho do criador e do autor. Até começar a ver Riverdale, nem sequer sabia que algo chamado Archie Comics existia, tal era o meu nível de ignorância. Mas a verdade é que existe e, se a sua existência motivou a criação da série só posso estar grata.

Ler Mais


Sinopse: Sweet, funny, and quietly poignant, Debbie Tung’s comics reveal the ups and downs of coming of age as an introvert.
This illustrated gift book of short comics illuminates author Debbie Tung's experience as an introvert in an extrovert’s world. Presented in a loose narrative style that can be read front to back or dipped into at one’s leisure, the book spans three years of Debbie's life, from the end of college to the present day. In these early years of adulthood, Debbie slowly but finally discovers there is a name for her lifelong need to be alone: she’s an introvert.
The first half of the book traces Debbie’s final year in college: socializing with peers, dating, falling in love (with an extrovert!), moving in, getting married, meeting new people, and simply trying to fit in. The second half looks at her life after graduation: finding a job, learning to live with her new husband, trying to understand social obligations when it comes to the in-laws, and navigating office life. Ultimately, Quiet Girl sends a positive, pro-introvert message: our heroine learns to embrace her introversion and finds ways to thrive in the world while fulfilling her need for quiet.


Opinião: Quiet Girl in a Noisy World é o retrato da vida de uma introvertida num mundo de extrovertidos através de pequenas comics ilustradas pela a autora Debbie Tung. A autora usa o seu talento para contar experiências da sua própria vida e para colocar em papel os pensamentos, para outros dramáticos, para outros habituais, que lhe assolam a mente após um conjunto de interações sociais não desejadas. Quiet Girl in a Noisy World decorre no espaço de três anos e retrata a descoberta da autora e a sua aceitação para a sua forma de pensar e de estar perante os outros: ela é uma introvertida.

Ler Mais


Sinopse: Starr tem 16 anos e move-se entre dois mundo: o seu bairro periférico e problemático, habitado por negros como ela, e a escola que frequenta numa elegante zona residencial de brancos. O grácil equilíbrio entre estas duas realidades é quebrado quando Starr se torna a única testemunha do disparo fatal de um polícia contra Khalil, o seu melhor amigo. A partir daí pairam sobre a Starr ameaças de morte: tudo o que ela disser acerca doc rime que presenciou pode ser usado a seu favor por uns, mas sobretudo como armas por outros. Um poderoso romance juvenil, inspirado pelo movimento Black Live Matter e pela luta contra a discriminação e a violência

Opinião: Qual é a definição de racismo? "O racismo é a discriminação social baseada no conceito de que existem diferentes raças humanas e que uma é superior às outras. (...) Consiste numa atitude depreciativa e discriminatória não baseada em critérios científicos em relação a um grupo social ou étnico." The Hate U Give ou O Ódio que Semeias na versão em português é um livro que retrata uma situação - infelizmente - real do que a discriminação pela raça ou pelo background podem fazer num ambiente policial. Inspirado pelo movimento #BlackLivesMatter, um movimento ativista que luta contra a brutalidade policial e contra as condições sociais e políticas que oprimem os negros dos EUA, Angie Thomas apresenta-nos um livro importante e que deve ser lido por todos.

Ler Mais



Opinião: Imaginem um jogo de Verdade ou Consequência mas onde a única resposta possível é a Consequência, no entanto, podem decidir ser jogadores (players) ou observadores (watchers). No primeiro caso, executam os desafios. No segundo caso, não só observam, como filmam e ainda decidem os desafios dos jogadores. O objectivo? Um monte de dinheiro por cada tarefa cumprida para aqueles que têm a coragem de jogar.

Ler Mais



Opinião: Não sou a pessoa mais familiarizada com as obras e as adaptações de Stephen King, no entanto, IT, ao contrário de A Torre Negra, chamou-me a atenção pela quantidade de críticas, algumas das quais impressionantes e, sendo uma apaixonada irremediável por filmes que me deixam na ponta da cadeira e com o coração nas mãos, vi-me obrigada a assistir. Realço que não li o livro IT, não vi a mini-série com o mesmo nome e conceito, nunca vi nada remotamente revelador do final ou do conteúdo do próprio filme.

Ler Mais



Assim como no Verão, neste Outono e Inverno vou participar na Maratona Literária Outono | Inverno 2017 (#MLOutonoInverno2017) que é organizada pelo blog Flames e Agora que Sou Crítica e que vai começar no dia 15 de Outubro às 23h59 e termina dia 15 de Janeiro às 23h59. 
O objectivo continua a ser o mesmo: ler no período da maratona o maior número de páginas possível e, para adicionar "páginas" ao nosso contador, ainda podemos fazer desafios extra que incluem a fotografia.

Ler Mais


SinopseO que é o verdadeiro amor?
Para Eduardo, de 17 anos, é a mãe e o irmão mais velho, Simão. Este, porém, tem um segredo que o empurra para a bebida e Eduardo receia que o seu irmão se suicide, tal como o pai de ambos o fizera, dez anos antes.
Júlia acredita que passou ao lado de um grande amor. Em busca da verdade que mudará a sua vida, regressa à vila de Apúlia para reconstruir um passado de que não se consegue recordar.
O caminho desta mulher perturbada está prestes a cruzar-se com o de Eduardo, trazendo à tona segredos, paixões agressivas e remorsos intemporais, com consequências devastadoras sobre a vida da outrora pacata vila piscatória.
Uma alegoria moderna de um clássico, onde os humanos se destroem sem precisarem de intervenção divina.

Opinião: Em primeiro lugar tenho de agradecer à autora, Andreia Ferreira por, muito gentilmente, ter disponibilizado o seu livro e apesar de ter conhecimento dos seu livros anteriores, Maresia e Fortuna marca a minha estreia com a autora e foi um estalo na minha reticência a novos autores. Enquanto leitora fiquei muito impressionada.

Ler Mais


Sinopse: Dustwalk is an unforgiving, dead-end town. It's not a place to be poor or orphaned or female. And yet Amani Al'Hiza must call it "home". 
Amani wants to escape and see the world she's hear about in campfire stories. 
Then a foreigner with no name turns up, and with him she has the chance to run. 
But the desert plains are full of dangerous magic. The Sultan's army is on the rise and Amani is soon caught at the heart of a fearless rebellion...

Opinião: Com Rebel of the Sands foi a primeira vez que me debrucei sobre uma leitura cujo setting resulta de uma mistura da mitologia árabe e das vivências do médio oriente com o faroeste. É uma mistura que não pensei que fosse deixar uma sensação tão entusiástica como a que deixou, mas a verdade é que o fez. Para qualquer leitor, é fácil de perceber que Rebel of the Sands possui demasiadas influências - árabes, gregas, irlandesas - e que há uma base forte e estrutural por detrás das palavras da autora. No entanto, a minha ignorância no folclore era tal, que dei por mim sem saber o que era mitológico e o que foi originalmente criado pela autora. Fui obrigada a consumir Rebel of the Sands como um todo, uma coisa própria, esquecendo qualquer base mitológica que pudesse haver porque pura e simplesmente não a conhecia. Rebel of the Sands foi uma autêntica surpresa. 

Ler Mais



Opinião: The Handmaid's Tale ou A História de uma Serva é baseada no livro homónimo de Margaret Atwood. É uma série que vai provocar um conjunto de emoções que vão desde o choque, à revolta, passando pela indignação e pela náusea, apresentando uns Estados Unidos da América distópico - agora chamados de A República de Gilead - onde, após uma vaga de infertilidade e uma diminuição da taxa de natalidade, as mulheres férteis - as Handmaid's - são obrigadas a conceber os filhos e filhas das famílias mais ricas e influentes do governo, servindo sobretudo como concubinas. 

Ler Mais


Sinopse: No one knows why Juliette's touch is fatal, but The Reestablishment has plans for her. Plans to use her as weapon. But Juliette has plans of her own. After a lifetime without freedom, she's finally discovering a strength to fight back for the very first time - and to find a future with the one boy she thought she'd lost forever. 

I have a curse. I have a gift. 
I'm a monster. I'm more than human. 
My touch is lethal. My touch is power. 
I'm their weapon. I will fight back. 

Opinião: Depois do The Unbecoming of Mara Dyer de Michele Hodkin, chegou a vez de Shatter Me de Tahereh Mafi. À semelhança do primeiro, Shatter Me relata as aventuras e desventuras de uma protagonista capaz de provocar a destruição e a morte daqueles que a rodeiam com um simples toque. Esta não é uma ideia nova, tendo sido já reciclada múltiplas vezes ao longos dos anos, seja nos livros ou no cinema, nomeadamente na saga X-Men com Rogue - embora de forma diferente. Na verdade, para os últimos capítulos, Shatter Me assemelha-se bastante ao mundo dos X-Men com a multiplicidade de poderes, a sensação de rejeição, seguida da sensação de pertença.
Shatter Me é um livro de emoções. Num mundo distópico onde a busca por poder reina sobre o bem-estar dos cidadãos comuns, somos apresentados a uma protagonista mentalmente instável. Aqui, a autora faz maravilhas com a repetição sistemática de frases e com o uso das "palavras rasuradas". Fá-lo para evidenciar as verdadeiras emoções da protagonista ou a verdade por detrás de palavras fingidas. É uma dinâmica que nunca tinha experimentado durante uma leitura - refrescante. As emoções variam ao longo das páginas à medida que Juliette Ferrars aprende mais sobre si mesma e sobre a sua história e daqueles que a rodeiam. 

Ler Mais



Opinião: O Diário da Nossa Paixão de Nicholas Sparks, ou The Notebook na versão original, é um filme que depressa se tornou um clássico. As personagens já são nossas conhecidas das vezes que o filme passou na televisão e já somos capazes de antecipar os nossos momentos favoritos e, talvez, adivinhar algumas das falas. É um filme capaz de transpor a barreira do tempo e mesmo há vigésima terceira vez, provocar umas quantas lágrimas.

Ler Mais


Sinopse: When Mara Dyer wakes up in hospital with no memory of how she got there, or any explanation as to why the bizarre accident that caused the deaths of her boyfriend and two best friends left her mysteriously unharmed, her doctors suggest she start over in a new city, at a new school, and just hope her memories gradually come back. 
But Mara's new start is anything but comforting. She sees the faces of her dead friends everywhere and now she's started to see other's people deaths before they happen. Is she going crazy? As if dealing with all this isn't enough, Noah Shaw, the most beautiful boy she's ever seen, can't seem to leave her alone. But does he have her best interests at heart, or another agenda altogether

Opinião: The Unbecoming of Mara Dyer permaneceu intocável na minha prateleira durante meses. Por vezes olhava-o de relance, e questionava-me o porquê de não avançar na leitura. As reviews são uma mistura de cinco estrelas e de uma estrela mas, ainda assim, a sinopse continuava a deixar-me ligeiramente intrigada, motivo pelo qual comprei o livro. Por fim, decidi que estava na altura de pegar nesta beleza de 452 páginas. Algo que já devia ter feito há imenso tempo.

Ler Mais



Opinião: Everything, Everything, ou Tudo, Tudo e Nós de Nicola Yoon, é um livro YA que provoca uma leitura compulsiva. A autora descreve na perfeição as emoções que uma pessoa com um corpo doente sente e a vida familiar que se desenvolve devido à presença desta situação estranha e nada recomendável. A verdade é que a impotência e frustração que advém da situação da Madeline são muito bem retratadas no livro, quase de forma palpável mas, infelizmente o mesmo não aconteceu no filme por uma razão muito simples: A imaginação. - Madeline possui uma imaginação fértil que a leva para diferentes locais e, consequentemente leva o espectador a afastar-se da sua condição de prisioneira. Um café. Uma biblioteca. O mar. Tudo isso leva o espectador a quase esquecer a doença que a autora descreve tão bem.

Ler Mais


Sinopse: Molching, um pequeno subúrbio de Munique durante a Segunda Guerra Mundial. Na Rua Hummel as pessoas vivem um dia-a-dia penoso, sob o peso da suástica e dos bombardeamentos cada vez mais frequentes, mas não deixaram de sonhar. 
A Morte, a narradora omnipresente e omnisciente, cansada de recolher almas, observa com compaixão e fascínio a estranha natureza dos humanos. Através do seu olhar intemporal, é-nos contada a história da pequena Liesel e dos seus pais adoptivos. Hans o pintor acordeonista de olhos de prata e Rosa, a mulher com cara de cartão amarrotado, do pequeno Rudy, cujo herói era o atleta negro Jesse Owen e de Max, o pugilista judeu, que um dia veio esconder-se na cave da família Hubermann e que escreveu e ilustrou livros para oferecer à rapariga que roubava livros, sobre as páginas do Mein Kampf recuperadas com tinta branca, ou ainda a história da mulher que convidou Liesel a frequentar a sua biblioteca, enquanto os nazis queimavam livros proibidos em grandes fogueiras. Um livro sobre uma época em que as palavras eram desmedidamente importantes no seu poder de destruir ou de salvar. Um livro luminoso e leve como um poema, que se lê com deslumbramento e emoção.

Opinião: A Rapariga que Roubava Livros de Markus Zusak é um livro belíssimo que, para além de exultar a bondade humana num dos períodos mais negros da sua história, eleva o uso das palavras, tornando-as numa personagens secundária. As mesmas palavras, que nós leitores amamos e odiamos simultaneamente e que são uma bóia de salvação para Liesel e um elo de ligação com o leitor. Este é um livro diferente em vários aspectos, seja pela escrita lírica que nos leva obrigatoriamente a pensar e a sentir, seja pela sua narradora improvável: A Morte. A ideia é simplesmente fenomenal. Markus Zusak usa a Morte como narradora, transformando-a em algo/alguém, digno de compaixão e até mesmo de amor, enquanto nos fornece informações passadas ou mesmo futuras sobre as pessoas sobre quem lemos e depositamos o nosso coração.

Ler Mais


Sinopse: Naquele que seria o dia mais decisivo da sua vida, Mary - filha de humildes pescadores d
a Cornualha - traçou o seu destino ao roubar um chapéu. 
O seu castigo: a forca. 
A sua única alternativa: recomeçar a vida no outro lado do mundo. 
Dividida entre o sonho de começar de novo e o terror de não sobreviver a tão dura viagem, Mary ruma à Austrália, à época de uma colónia de condenados. O novo continente revala-se um enorme desafio onde tudo é desconhecido...como desconhecida é a assombrosa sensação de encontrar o grande amor da sua vida. Apaixonada, Mary vai bater-se pelos seus sonhos sem reservas ou hesitações. E a sua luta ficará para sempre inscrita na História.

Opinião: Antes de mais, começo por dizer que, tanto a capa do livro, como a sinopse, não fazem justiça ao conteúdo do livro. Tanto um como outro incitam o leitor a pensar que está perante um romance, mais uma história de amor no meio de mil, passados em tempos conturbados; dois amantes separados pelos infortúnios do destino. Desenganem-se. Nunca me Esqueças é um livro baseado na história verídica de Mary Broad, uma rapariga de origens humildes, condenada à forca por roubar um chapéu mas rapidamente deportada a Nova Gales do Sul ou, noutras palavras, para o que hoje é conhecido como sendo a Austrália. Nunca me Esqueças relata o pior período da vida de Mary, ao mesmo tempo que conta a história do nascimento da Austrália. Os dois estão intimamente interligados e houve alturas em que desejei que os factos que a autora atirava sobre as condições de vida dos prisioneiros fossem pura ficção.

Ler Mais


Sinopse: Todas as manhãs ele lê para ela, de um caderno desbotado pelo tempo, uma história de amor que ela não recorda nem compreende. Um ritual que se repete diariamente no lar de idosos onde ambos vivem agora. Pouco a pouco, ela deixa-se envolver pela magia da presença dele, do que ele lhe lê, pela ternura dele...E o milagre acontece. A paixão renasce, transpõe o abismo do tempo, o abismo da memória, e por instantes ela volta para ele...Apesar da doença. Mas haverá mais.
Todos os dias, ele lê-lhe a história de um simples rapaz sulista e de uma rapariga destinada a brilhar na high society. A primeira paixão, clara como uma manhã orvalhada de maravilha e descoberta. Afastados depois pela impiedoso exigência do abismo que os separa. Catorze anos mais tarde, ele é um sobrevivente da guerra e ela está a poucos dias de tornar-se a mulher de outro homem. Mas volta por uma necessidade imperiosa de o rever. O reencontro traz de novo toda a magia. Terá o amor poder suficiente desta vez? Mas haverá mais. Sempre.

Opinião: Quando lemos um livro pela primeira vez, cujo filme já foi repetido uma dezena de vezes na televisão a experiência é completamente diferente. Quando as personagens já são nossas conhecidas e, já nos são queridas há uma tendência para ver para lá das palavras. A nossa imaginação voa para as imagens que conhecemos e rapidamente ultrapassamos os pequenos defeitos que possam haver. Isso aconteceu-me com O Diário da Nossa Paixão. Um livro tão diferente da sua adaptação cinematográfica mas, ao mesmo tempo, tão parecido.

Ler Mais


Sinopse: Há anos que Kahlen segue as regras, esperando pacientemente pela vida que poderá considerar sua. Mas quando Akinli, um ser humano, entra no seu mundo, ela não consegue continuar a viver segundo as regras. De repente, a vida pela qual tem esperado não parece tão importante como a que está a viver agora

Opinião: Este não é o meu primeiro livro de Kiera Cass e, certamente não será o último. O tópico do romance também não me é estranho, ou à autora que conquistou milhares de leitores com as dúvidas intermináveis de América Singer, no entanto, A Sereia, ao contrário de A Seleção apresenta um tom muito mais mórbido e muito mais questionável do que um grupo de raparigas que aparecem num reality show
Em A Sereia a protagonista é uma assassina. A autora brincou com vários aspectos da mitologia no que toca às raparigas com caudas de peixe mas dois mantiveram-se incólumes: a beleza e a voz. Mas, a forma como decidiu descrever os assassinatos, os afogamentos, a própria indecisão e depressão da protagonista e das suas companheiras pareceu-me fria, egoísta e demasiado questionável para ser capaz de ver para lá disso. Não achei que foi um trabalho completo ou que deixasse a sua marca. A própria personagem de Oceano soou-me a forçada. Não consegui afundar-me no mundo de Kahlen. Não consegui ver para lá da morte e, principalmente, para a justificação dela, ou de frases como: "Apesar de Ela me aterrorizar, sinto o amor por baixo da Sua agressão". Não foi algo com o qual me conseguisse identificar.

Ler Mais


Sinopse: Simon Spier tem 16 anos e os únicos momentos em que se sente ele próprio são vividos atrás do computador. 
Quando Simon se esquece de desligar a sessão no computador da escola, os seus emails pessoais ficam expostos a um dos colegas que ameaça revelar os seus segredos, a não ser que Simon lhe faça um favor. 
Simon vê-se, assim, obrigado a enfrentar as suas emoções e a assumir quem verdadeiramente é perante o mundo inteiro. 
Uma história delicada que explora com naturalidade e humor a difícil tarefa que é amadurecer

Opinião: O Coração de Simon Contra o Mundo, uma das novas apostas da Porto Editora e em breve uma adaptação cinematográfica, revelou-se um livro verdadeiro e profundo em mais do que um sentido, o que foi uma surpresa. Há muito tempo que não me debruçava sobre as páginas de um contemporâneo onde cada um dos intervenientes, desde os amigos ao fundo da página, aos pais, surgem como pessoas com mais do que duas camadas, com defeitos e qualidades que somos capazes de reconhecer por entre as linhas. 
O título original Simon VS The Homosapien Agenda encaixa na perfeição na tonalidade do livro. A autora, Becky Albertalli fez, com Simon Spier, o leitor importar-se e tornar-se conhecedor das dificuldades ou, se não das dificuldades, das emoções pelas quais uma pessoa homosexual passa no processo de se dar a conhecer ao mundo.

Ler Mais


Sinopse: Todos conhecem a história profundamente dramática da jovem Anne Frank. Publicado pela primeira vez em 1947, por iniciativa do seu pai, o Diário veio a revelar-se ao mundo o que fora, durante dois longos anos, o dia-a-dia de uma adolescente condenada a uma voluntária auto-reclusão, para tentar escapar à sorte dos judeus que os alemães haviam começado a deportar para supostos "campos de trabalho".
Tentativa sem final feliz. Em Agosto de 1944 todos aqueles que estavam escondidos no pequeno anexo secreto onde a jovem habitava foram presos. Após uma breve passagem por Westerbork e Auschwitz, Anne Frank acaba então por ir a Bergen-Belsen, onde vem a morrer em Março de 1945, a escassos dois meses do final da guerra na Europa.

Opinião: O Diário de Anne Frank não é uma leitura nova para mim. O meu exemplar está mais do que usado. Era uma leitura frequente quando era mais nova mas já se passaram anos desde a última vez que o li e, embora os pormenores continuem frescos, quis relê-lo uma vez mais. Foi uma experiência de leitura completamente diferente, infelizmente baseado em factos mais do que reais, já que fui vendo vários documentários sobre o Holocausto, Anne Frank, Otto Frank  e Miep, relatos que complementaram a minha leitura, que me deram não só uma ideia do mundo exterior, como da vida daqueles que ajudaram a família Frank. Documentários que relataram o dia em que as oito pessoas que viviam no Anexo Secreto foram levadas pela SS.

Ler Mais


Sinopse: A obra "O Cavaleiro da Dinamarca", de Sophia de Mello Breyner Andresen, é uma narrativa infanto-juvenil que procura traçar o percurso de um Cavaleiro dinamarquês que, deixando a sua família, enceta uma peregrinação à Terra Santa. A narrativa conta-nos as peripécias dessa viagem, bem como o seu regresso ao lar.

Opinião: Tal como A Menina do Mar, O Cavaleiro da Dinamarca foi um, de uma lista interminável de livros de leitura obrigatória. Na escola, as aventuras do cavaleiro dinamarquês foram avaliadas ao pormenor, retirando qualquer prazer à leitura. Agora, anos mais tarde, uma maratona levou-me a relê-lo. Uma leitura de uma hora, rápida que me fez voltar atrás no tempo. Uma prosa simples, mas repleta de aventuras, tão diferente de A Menina do Mar. Posso dizer com toda a confiança que apreciei muito mais a leitura deste livro. A complexidade dentro da simplicidade - se é que tal faz sentido, - deixaram-me encantada e as histórias dentro da história levaram-me a sorrir em alguns pontos, principalmente com as aventuras de Dante no mundo para lá deste e dos portugueses que desvendavam as águas para lá da Europa.

Ler Mais


Sinopse: Um rapaz, que vivia numa casa na praia, adorava tomar banho no mar e brincar nas rochas. Um dia, após um grande temporal, ao passear pelas poças de água, descobre uma menina, com um palmo de altura, a brincar com um polvo, um caranguejo e um peixe. Era a menina do mar que lhe conta a sua história e alguns dos segredos do mar. Voltam a encontrar-se várias vezes para conversar e descobrir como as coisas da terra são diferentes das do mar; o rapaz explica-lhe o que é a saudade e a alegria e mostra-lhe o fogo, a flor e o vinho. Falhada a tentativa de a levar a descobrir como se vive na terra, aceita, bebendo uma poção mágica, descer ao fundo do mar para se encontrar com a menina. A sua terra passou a ser o mar.

Opinião: Fazendo parte do Plano Nacional de Leitura, A Menina do Mar foi um livro requisitado por professores e por progenitores pela sua simplicidade. Um livro perfeito para espicaçar em qualquer criança o gosto pela leitura, um livro que, mesmo com as suas míseras páginas é capaz de despertar o pensamento. Afinal, o que é a saudade? No entanto, sou a primeira a admitir que, quando escolhi A Menina do Mar para a minha leitura foi, pura e simplesmente, porque não me recordava, de todo, da história. Li e leram-me a história incontáveis vezes - na sala de aula ou em casa - mas, por alguma razão, o seu conteúdo nunca ficou comigo durante muito tempo ao contrário do que acontece com, por exemplo, O Principezinho.

Ler Mais


Sinopse: O terceiro volume de «As Crónicas de Gelo e Fogo», a melhor série de fantasia da actualidade! Quando um cometa vermelho surge nos céus de Westeros encontra os Sete Reinos em plena guerra civil. Os combates estendem-se pelas terras fluviais e os grandes exércitos dos Stark e dos Lannister preparam-se para o derradeiro embate.No seu domínio insular, Stannis, irmão do falecido Rei Robert, luta por construir um exército que suporte a sua reivindicação ao trono e alia-se a uma misteriosa religião vinda do oriente. Mas não é o único, pois o seu irmão mais novo também se proclama rei, suportado por uma hoste que reúne quase todas as forças do sul. Para pior as coisas, nas Ilhas de Ferro, os Greyjoy planeiam a vingança contra aqueles que os humilharam dez anos atrás.O Trono de Ferro é ocupado pelo caprichoso filho de Robert, Joffrey, mas quem de facto governa é a sua cruel e maquiavélica mãe. Com a afluência de refugiados e um fornecimento insuficiente de mantimentos, a cidade transformou-se num lugar perigoso, e a Corte aguarda com medo o momento em que os dois irmãos do falecido rei avancem contra ela. Mas quando finalmente o fazem, não é contra a cidade que investem...O que os Sete Reinos não sabem é que nada disto se compara ao derradeiro perigo que se avizinha: no distante Leste, os dragões crescem em poder, e não faltará muito para que cheguem com fogo e morte!

Nota: Edição 2 volumes da Saída de Emergência

Opinião: A Fúria dos Reis de George R. R. Martin é um livro cuja acção decorre de forma mais vagarosa. Não há uma quantidade absurda de momentos lentos mas, a verdadeira luta, a verdadeira acção, é deixada para algumas míseras páginas. Neste volume os reis multiplicam-se como a praga, havendo um em cada esquina mas, tal como nos seus livros anteriores, é fácil de seguir as motivações das personagens "mais básicas" como Robb, Stannis, Renly ou Cersei, cujas acções se baseiam apenas na ânsia de vencer ou na preocupação pelos filhos mas, as motivações dos personagens mais interessantes, como do Duende, aprofundam-se e a teia de mistérios e de lutas políticas adensa-se.

Ler Mais


Sinopse: Mudar de escola no último ano e ser a miúda nova do liceu nunca é fácil para ninguém. Amanda Hardy não é excepção: se quiser fazer amigos e sentir-se aceite, terá de baixar as defesas e deixar que os outros se aproximem. Mas como, quando guarda um segredo tão grande? Quando tenta, a todo o custo, esconder o seu passado e começar uma vida nova?
Para piorar as coisas, apaixona-se perdidamente pelo rapaz mais popular do liceu e tudo o que mais quer é contar-lhe a verdade... Será que ele é tão especial quanto parece? Poderá confiar nele

Opinião: Se Eu Fosse Tua ou If I Was Your Girl, na versão original, de Meredith Russo é uma história comovente e, sobretudo, importante. O livro relata a história de Amanda Hardy, uma rapariga tímida, inteligente, bondosa mas marcada por acontecimentos passados, cujo nome de batismo é Andrew Hardy e que se vê forçada a deixar a sua casa para conseguir sobreviver. 
Desde a primeira página que sabia do que Se Eu Fosse Tua se tratava. Não houve qualquer dúvida para mim de que queria lê-lo pois queria saber mais sobre um tema onde o meu conhecimento é quase nulo e, posso dizer que a autora fez um belíssimo trabalho ao intercalar a vida actual da Amanda com a sua vida passada e as suas experiências porque, para ser completamente honesta, era onde o meu foco de interesse residia.

Ler Mais


Sinopse: Lily tem 25 anos. Acaba de se mudar para Boston, pronta para começar uma nova vida e encontrar finalmente a felicidade. No terraço de um edifício, onde se refugia para pensar, conhece o homem dos seus sonhos: Ryle. Um neuro-cirurgião. Bonito. Inteligente. Perfeito. Todas as peças começam a encaixar-se. 
Mas Ryle tem um segredo. Um passado que não conta a ninguém, nem mesmo a Lily. Existe dentro dele um turbilhão que faz Lily recordar-se do seu pai e das coisas que este fazia à sua mãe, mascaradas de amor, e sucedidas por pedidos de desculpa. 
Será Lily capaz de perceber os sinais antes que seja demasiado tarde? Terá força para interromper o ciclo?

Opinião: Isto Acaba Aqui ou It End With Us, na versão original é o livro do momento, uma - na minha opinião - das melhores apostas da Topseller. A autora, Colleen Hoover não é uma novata no que toca a brincar com as emoções do leitor e fá-lo como uma campeã com Isto Acaba Aqui. O meu principal conselho para aqueles que ainda não tiveram oportunidade de o ler é: vão às cegas. Não procurem por opiniões. Esta opinião em si, será vaga, apenas uma pequena amostra do que quero dizer. A própria sinopse do livro é, por si só, um spoiler, pelo que peguem apenas num dos muitos volumes que há por aí e leiam até os olhos começarem a doer.

Ler Mais


SinopseEstes são dias negros para Robert Baratheon, rei dos Sete Reinos. Do outro lado do mar, uma imensa horda de selvagens começa a formar-se com o objectivo de invadir o seu reino. À frente deles está Daenerys Targaryen, a última herdeira da dinastia que Robert massacrou para conquistar o trono. E ainda mais perto, na Corte, as conspirações continuam e o rio entre as várias Casas aumenta... 
Para lá da muralha de gelo, uma força misteriosa manifesta-se de maneira sobrenatural. E quem vive à sombra da muralha não tem dúvidas: os Outros vêm aí e o que trazem com eles é bem pior do que a própria morte... Ainda mais perto, na Corte, as conspirações continuam e o ódio entre as várias casas aumenta. Quando parece que nada poderia piorar, o rei é ferido numa caçada. Terá sido um acidente ou uma tentativa de assassinato?  
Nota: Edição 2 volumes da Saída de Emergência

OpiniãoE começou. Agora sim, o Inverno está a chegar. Até agora, A Muralha de Gelo revelou-se o meu favorito. Os nomes, anteriormente, confundidos num grupo demasiado grande de personagens, finalmente começou a fazer sentido. A confusão foi ultrapassada por uma necessidade abismal de saber mais. Foi o primeiro livro de George R. R. Martin que aproveitei na sua totalidade.
Mais uma vez, seguimos o curso de um núcleo demasiado grande de personagens mas George R. R. Martinc criou o equilíbrio perfeito de acontecimentos e de atenção a cada um dos intervenientes, agora um, para sempre desaparecido. A Muralha de Gelo culmina com o aparecimento de três criaturas maravilhosas e com o corte de cabeça de uma personagem importante para o desenvolvimento da história. As intrigas aumentam, há novos reis e rainha por todo o Westeros mas, pela primeira vez, não é difícil de acompanhar.

Ler Mais


SinopseNo mundo de Westeros, o senhor do castelo de Winterfell, Eddard Stark, recebe a visita do velho amigo, o rei Robert Barateou. Durante a estadia, o rei convida Eddard a mudar-se para a corte e a assumir a prestigiada posição de Mão do Rei. O convite é aceite, mas Eddard está longe de adivinhar que a sua vida, e a da sua família, está prestes a entrar numa espiral de tragédia e conspiração.
Quando Eddard Stark aceita tornar-se Mão do Rei, o seu objectivo é o de proteger o rei do clã da rainha, os Lannister. Mas ter os Lannister como inimigos é fatal e cedo descobre que a ambição dessa família não tem limites. Sozinho na corte, Eddard também se apercebe de que a sua vida nada vale. E até a sua família, longe no norte, pode estar em perigo.  
Nota: Edição 2 volumes da Saída de Emergência

Opinião: Para um mundo dominado pelo conhecimento de Westeros, sinto que sou uma das poucas almas que não conhecia o universo de George R. R. Martin. Uns episódios aqui, umas montagem no Youtube ali, e pouco mais. O que sabia era de conhecimento comum: um universo extenso comparável a Tolkien, um conjunto de personagens memoráveis, disputas políticas, sangue, sexo e magia. Não exactamente por essa ordem. Mas, a meu ver, não podemos exactamente compara-lo com O Senhor dos Anéis. Se me perguntassem, diria que George R. R. Martin criou um mundo de fantasia cujas personagens são mais reais aos nossos olhos, mais facilmente relacionáveis do que as de Tolkien algum dia poderiam ser.

Ler Mais


Sinopse: Helena Hamilton tem dezasseis anos e passou a vida inteira a tentar esconder o facto de ser muito diferente, o que não é tarefa fácil numa ilha tão pequena e resguardada como Nantucket. E está a tornar-se ainda mais difícil. Pesadelos com a travessia desesperada num deserto fazem com que acorde desidratada e com os lençóis estragados de sujidade e pó. Na escola, é assombrada com alucinações de três mulheres a chorarem lágrimas de sangue... e, quando se cruza pela primeira vez com Lucas Delos, não percebe que estão destinados a desempenhar os papéis principais numa tragédia que as Parcas insistem em repetir ao longo da história. 
À medida que Helena vai desvendando os segredos da sua ascendência, compreende que alguns mitos são mais do que simples lendas. Mas mesmo os poderes de semideuses poderão não ser suficientes para desafiar as forças que compelem Lucas e Helena a juntar-se... e que, ao mesmo tempo, tentam separá-los.

Opinião: Predestinados de Josephine Angelini é um livro sobre um amor impossível e de duas pessoas que estão condenadas a repetir a história, por mais trágica que ela seja. Helena Hamilton, a protagonista, é uma adolescente belíssima que passou a vida a tentar esconder o facto de ser diferente num mundo de iguais - literalmente. É um livro romântico com personagens belos, fortes e inteligentes, onde a perfeição encontra um caminho na vida daqueles que partilham um elo com os deuses, agora chamados de Rebentos.

Ler Mais



Opinião: 13 Reasons Why ou, Por Treze Razões, retrata a história de Hannah Baker, uma adolescente que decidiu tirar a própria vida e, através de Clay Jensen, o protagonista e narrador, conhecemos as razões - mais concretamente as treze razões, que levaram à sua decisão. É uma história baseada no livro original de Jay Asher, uma história difícil que toma uma abordagem diferente no ecrã, uma abordagem mais realista, mais forte e mais crua, pelo que a discrição é aconselhada, para pessoas que sofrem de depressão ou de outras doenças do foro psicológico, ou que tenham, ou já tenham tido tendências suicidas. Nesse caso, aconselho vivamente a não ver a série. 
O suicídio e as suas consequências ganham vida em 13 Reasons Why. Ao contrário do livro que é unicamente limitado à perspectiva de Clay, a série ganha um novo tom, uma nova vida, com a introdução de personagens como os pais de Hannah ou dando maior ênfase à vida dos intervenientes das cassetes que Hannah utiliza para contar a sua história. As cassetes foram, a meu ver, uma inovação, Jay Asher usou um meio de comunicação fácil e simples para contar uma tragédia e, para mim, continua a ser um dos pontos mais fortes da história.  


Ler Mais




Comprados. Oferecidos. Cedidos.
Fantasia. Ficção Científica. Contemporâneo.
Português. Inglês. 
Autores Nacionais. Autores Estrangeiros.
Editorial Presença. Chiado Editora. Entangled Publishing.  Bloomsburry Publishing. Hodder & Stoughton General Division. Nuvem de Tinta.

Mors Tua, Vita Mea
Última Estrela
Before I Fall
A Court of Thorns and Roses


#um agradecimento especial a Vanessa Santos por, muito gentilmente, me ter cedido o seu livro


SinopseSou a Sara, e estou agoniada, desesperada, com suores frios, o mundo ganhou profundidade, está calor, não, é frio, estou tonta. Tirem-me daqui, por favor.
É assim que se inicia o relato de Sara, a rapariga mais comum da cidade de Leiria. É-lhe transmitido pelo seu chefe um segredo de família que lhes trará dificuldades e mudanças.
Em pouco tempo, Sara verá a sua vida dar uma volta de 180º, viverá momentos de pânico, medo e de pura paixão.
Trata-se de um relato divertido, que descreve o desenrolar da trama de uma forma leve, dando a conhecer o ponto de vista de uma jovem na casa dos vinte anos e no auge da sua imaginação, descrevendo as cenas que vive com à-vontade e humor.

Opinião: Mors Tua, Vita Mea de Vanessa Santos pareceu-me, durante um número considerável de páginas, um livro a pender para o humor e para o divertido, considerando a própria sinopse e o próprio começo, algo caricato mas, à medida que a história se desenvolve as parecenças com algo humorístico desvanecem-se no ar. A verdade é que desconhecia a escrita de Vanessa Santos, pelo que, a título pessoal, fico grata pela possibilidade de não só dar a conhecer autores portugueses, como de ficar em contacto com o seu trabalho.

Ler Mais


Sinopse: Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom. 
Cyra é a irmã do tirano cruel que governa o povo de Shotet. O dom-corrente de Cyra confere-lhe dor e poder, que o irmão explora, usando-a para torturar os seus inimigos. Mas Cyra é muito mais do que uma arma nas mãos do irmão; é resistente, veloz e mais inteligente do que ele pensa. 
Akos é o filho de um agricultor e do oráculo de Thuvhe, a nação-planeta mais gelada. Protegido por um dom-corrente invulgar, Akos possui um espirito generoso e a lealdade que dedica à família é infinita. Após a captura de Akos e do irmão, por soldados Shotet inimigos, Akos tenta desesperadamente libertar o irmão, com vida, custe o que custar. 
Então Akos é empurrado para o mundo de Cyra, onde a inimizade entre ambas as nações e famílias aparenta ser incontornável. Ajudar-se-ão mutuamente a sobreviver ou optarão por se destruir um ao outro

Opinião: Gravar as Marcas de Veronica Roth é um livro de ficção científica rodeado de conceitos e de ideias simultaneamente originais e diferentes. É o primeiro livro da autora depois do sucesso de Divergente e, não podia ser o mais distinto. Seguimos as mesmas pisadas de mundos diferentes, ou melhor, uma galáxia distópica, mas a ideia por detrás de Gravar as Marcas é, a meu ver, mais complexa.

Ler Mais


Opinião: A Fonte Misteriosa ou Tuck Everlasting, na versão original, é um filme juvenil que descreve o acto de crescer e das mudanças que acontecem com esse crescimento (viva a redundância) uma delas sendo a percepção da morte e do que ela realmente representa. Winnifred Foster, uma rapariga naturalmente inteligente e curiosa mas protegida pelo dinheiro e pelo prestígio do seu próprio nome vê-se, de repente, no meio de uma família com um estilo de vida mais simples, mas com um segredo: os Tuck não envelhecem e não são capazes de morrer.

Ler Mais


SinopseBeing connected to Daemon Black sucks… Thanks to his alien mojo, Daemon’s determined to prove what he feels for me is more than a product of our bizarro connection. So I’ve sworn him off, even though he’s running more hot than cold these days. But we’ve got bigger problems.
Something worse than the Arum has come to town…

The Department of Defense are here. If they ever find out what Daemon can do and that we're linked, I’m a goner. So is he. And there's this new boy in school who’s got a secret of his own. He knows what’s happened to me and he can help, but to do so, I have to lie to Daemon and stay away from him. Like that's possible. Against all common sense, I'm falling for Daemon. Hard.
But then everything changes…
I’ve seen someone who shouldn’t be alive. And I have to tell Daemon, even though I know he’s never going to stop searching until he gets the truth. What happened to his brother? Who betrayed him? And what does the DOD want from them—from me?
No one is who they seem. And not everyone will survive the lies…

Opinião: Onyx é o segundo livro da série Lux de Jennifer L. Armentrout e, apesar de as minhas expectativas se situarem na estratosfera, não fiquei desiludida, pelo contrário. Onyx é, como Obsidian antes dele, um livro encantador, diferente no seu conteúdo paranormal e divertido! Desde a primeira à última página que sentia uma vaga de adrenalina e de felicidade sempre que tinha algum tempo para dedicar à leitura. Onyx é tudo o que um livro deve ser.

Ler Mais


Opinião: Elementos Secretos ou Hidden Figures é um filme baseado na obra de Margot Lee Shetterly, lançado em 2016 que relata a história até agora desconhecida de três mulheres afro-americanas que tiveram posições de destaque na NASA no início da década de 1960, nomeadamente, na missão de colocar o homem em órbita com o planeta Terra e, mais tarde, na ida do homem à lua.
O filme não assume completamente o seu lado dramático havendo imensos momentos de alívio cómico. No entanto, os momentos mais dramáticos, aqueles onde vemos em primeira mão a verdade por detrás de uma vivência segregada, são poderosos. O racismo, assim como o machismo são trabalhados intensamente e criam no espectador uma sensação de impotência e de revolta que acaba por ser atenuado por personagens como a de Kevin Costner que está à frente do seu tempo, vendo para além do género e da cor. Aqui na NASA todos fazemos chichi da mesma cor.
Enquanto espectador, celebramos as pequenas vitórias e choramos com as derrotas. Baseado em factos verídicos é difícil não gostar das três protagonistas, sendo que Janelle Monáe e Octavia Spencer possuem actuações mais secundárias mas com o propósito de testar os limites da sociedade branca. Ambas as actuações são actuações de valor e com mensagens que, infelizmente, ainda servem para os dias de hoje. Se fosse um homem já o seria.
Elementos Secretos prende o público do início ao fim. O desenvolvimento espacial mistura-se na perfeição com o estado político do país na década de 60 e as descobertas das formulas matemáticas transita com facilidade para uma vida familiar difícil e para a violência a que os afro-americanos estavam - e ainda estão - sujeitos. É impossível não sentir algum tipo de emoção ao ver três mulheres inteligentes, discriminadas não só pelo seu género mas também pela sua cor a conquistar o mundo dos homens, a abrir a passagem para outras tantas como elas.

Here at NASA we all pee the same colour



Outros títulos da autora


Opinião: O meu coração está cheio. A Bela e o Monstro não é o meu filme preferido da Disney - o troféu vai para O Rei Leão - mas anda lá perto. Bela, com a sua inteligência, personalidade e amor por livros conquistou-me desde tenra idade, mostrando que não nos devemos diminuir para conquistar o coração de outros. Bela reage, procura, e luta. Um exemplo para todas as crianças.
A verdade é que gostaria de ter visto a versão animada antes de ir ver o live action, mas o tempo não era muito e o entusiasmo em excesso, por isso, apenas, fui. Para aqueles com receio de que esta nova versão de A Bela e o Monstro possa estragar a imagem que têm do original: não se preocupem. A linha da história é a mesma, se não melhor. A banda sonora e as músicas mantém-se, imaginadas num mundo real, interpretadas maravilhosamente por cada um dos actores, levando o mais forte dos corações às lágrimas. Quem não se recorda da música "Beauty and the Beast"?

Ler Mais


Sinopse: Beauty and the Beast is one of the most classic tales ever written. A beautiful daughter dreams of meeting a handsome prince, but in order to save her father's life, she leaves home to live with a terrible, frightening beast. Though her patron is hideous, his disarming generosity slowly leads to a surprising connection. Generations of children have been fascinated by the story of the girl named Beauty, who grows to love a fearsome beast by learning to see and cherish his kindness, generosity, and intelligence.

OpiniãoA Bela e o Monstro é um conto-de-fadas intemporal que povoou a infância de um número demasiado grande de adultos, um conto-de-fadas que ainda consegue maravilhar crianças pelo mundo fora e que é, neste momento, mais conhecido pela sua adaptação animada.
Para além dos livros infantis que são uma cópia transcrita do filme da Disney, não conhecia a versão de Jeanne-Marie Leprince de Beaumont que rescreveu o conto de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve, a autora original, em 1756. O conto original La Belle et la Bête, data de 1740, pelo que é realmente antigo, um pormenor que escapava ao meu conhecimento, pelo que foi uma surpresa.
É diferente. É realmente muito diferente. Para os mais familiarizados com a versão da Disney, as semelhanças existem quer seja pela rosa que Beuty ou Bella pede ao pai, quer seja pela transformação do Monstro ou Beast novamente no Príncipe.

Ler Mais