Blogs Portugal

Siga por Email

Sinopse: A tua escolha pode transformar-te - ou destruir-te. Mas, qualquer decisão tem consequências e, à medida que as várias facções começam a insurgir-se, Tris Prior precisa de continuar a lutar pelos que ama - e por ela própria. 
O dia da iniciação de Tris devia ter sido marcado pela celebração com a facção escolhida. No entanto, o dia termina da pior forma possível e a guerra parece ser inevitável. 
Transformada pelas suas decisões mas ainda assombrada pela dor e pela culpa, Tris terá de aceitar em pleno o seu estatuto de Divergente, mesmo que não compreenda completamente as consequências dessa escolha





Book Trailer:

OpiniãoNo mundo criado por Veronica Roth, a sociedade divide-se por facções, sendo que cada facção realça uma de cinco traços da personalidade humana: coragem, altruísmo, generosidade, sinceridade e inteligência. Uma nova forma de distopia, poder-se-a dizer. Insurgente começa imediatamente onde Divergente terminou e aqui, não vemos uma sociedade organizada e simbiótica mas sim o caos. Há alianças inesperadas e somos deixados com muitas questões - demasiadas - no entanto, vamos descobrindo o caminho por entre a destruição, conhecendo mais pormenores sobre o mundo distópico que a autora criou, mais detalhes sobre cada uma das facções. 
Uma das maiores diferenças está, obviamente na protagonista. Depois dos acontecimentos finais de Divergente, Tris entra numa espiral de destruição e somos arrastados com ela e sentimos com ela as suas dúvidas, a sua culpa e a sua dor. Contudo, à medida que as páginas passam, um sentimento de irritação também começa a nascer porque, tal como em todos os livros YA, o segundo livro, o casal protagonista tem s-e-m-p-r-e problemas ao nível da comunicação e, claro, Tris e Quatro não foram excepção, de todo.
Mas, enquanto em Divergente senti que as personagens secundárias estavam lá somente porque sim, em Insurgente senti realmente alguma afinidade com personagens como Zeke, Uriah, Lynn, Marlene, Christina, Caleb e Peter, provavelmente devido ao afastamento do casal que possibilitou o crescimento ou o aparecimento de outras relações, pelo que a nível emocional, Insurgente provocou uma dor muito maior, porque as mortes foram muitas, as traições foram grandes e o afeiçoamento às personagens enorme.
No entanto, ainda tenho alguns problemas com a história porque, mais do que uma vez, fui levada a pensar que os não divergentes, sofrem de algum tipo de debilidade mental, e não gostei. Mais do que uma vez, com personagens como Lynn ou até mesmo Quatro, somos levados a acreditar que os Divergentes têm algum tipo de habilidade mental que os torna mais perspicaz enquanto os não divergentes, agem sem pensar nas consequências, baseando-se nas experiências que tiveram na sua facção e não acredito que alguém que seja condicionado por apenas uma delas, não possa simplesmente pensar por si mesmo, embora seja esse o objectivo, suponho (confusão).
A questão dos Divergentes ainda me faz um pouco de confusão e, com a conclusão, a confusão apenas aumentou de proporção, basicamente de uma noz, passou para o tamanho de uma bola. A ideia de que o ser humano não pode ser redimido que, para ser perfeito é necessário suprimir outras características próprias da humanidade não me faz sentido, admito, no entanto, preciso de manter em mente de que o mundo da autora trata-se de uma situação levada ao extremo, uma utopia algo que, regra geral, leva sempre a uma distopia. E, como é difícil.
Confesso que gostei da diferença entre Divergente e Insurgente. Enquanto o primeiro ainda era muito instrutivo, as coisas realmente acontecem neste segundo volume. Não há realmente um único capítulo sem acção ou descobertas. No entanto, o que reparei foi na escrita da autora, por vezes factual. Ora estamos de tal modo embrenhados no novelo de emoções que é a protagonista ora o seu pensamento vai apenas para a descrição de factos sem nenhum tipo de emoção por trás. 
Outros títulos das colecção:
*Divergente  - adaptação cinematográfica aqui
*Insurgente - adaptação cinematográfica aqui
*Convergente - adaptação cinematográfica aqui.
*Quatro 

Outros títulos da autora:
*Gravar as Marcas


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO