Blogs Portugal

Siga por Email

Sinopse: Puros é o volume de estreia de uma notável trilogia cuja ação se passa num cenário pós-apocalíptico absolutamente dantesco e é também uma história de amor. Depois de uma série de detonações atómicas destinadas a exterminar grande parte da Humanidade, apenas uma pequena elite de puros deveria ter sobrevivido, protegida dentro da Cúpula até que a Terra se regenerasse por completo. Mas não foi isso que aconteceu... Muitos foram os que sobreviveram às explosões, deformados, com mutações terríveis, refugiados entre as ruínas da cidade, num clima de opressão por parte da milícia entretanto formada, que os aterroriza e explora. Pressia Belze é uma jovem de dezasseis anos, uma mutante que tenta fugir à milícia; Partridge é um rapaz da elite, um Puro atormentado pela suspeita de que um plano secreto e maquiavélico está a ser desenvolvido pela elite científica da Cúpula. Numa terra devastada, os caminhos destes dois jovens acabam por se cruzar, dois sobreviventes em busca de um futuro menos sombrio que nem desconfiam do laço secreto que os une. 

Book Trailer

Opinião
Para mim, Puros teve muitas inconsistências ao nível de world building e muitos pontos que deviam ter sido respondidos e não foram - e não acredito que sejam questões às quais vamos obter respostas porque não se tratam de questões fundamentais para o desenvolvimento do conflito. Para ser sincera, o que me motivou a continuar a ler foi, sem dúvida, os protagonistas (há dois pontos de vista principais) e as suas histórias.
No entanto, ao mesmo tempo, senti-me incrivelmente frustrada porque não achei nenhuma verdade por detrás do sofrimento das pessoas, isto para não falar, da origem do sofrimento em si. Provavelmente a culpa não é da autora uma vez que ela referiu uma pesquisa e leitura sobre os efeitos das bombas atómicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki, mas eu, sendo uma rapariga dada a documentários, em cada referência, a cada nova história que nos era apresentada ao nível das memórias no momento das detonações e do pós-detonações, não conseguia parar de me lembrar de um documentário que vi sobre os sobreviventes das bombas atómicas e como uma das sobreviventes, em completo sofrimento, recorda, tantos anos depois, como as pessoas andavam com os braços à sua frente, como mortos-vivos com a pele pendurada porque era demasiado doloroso colocá-los para baixo, entre outros pormenores que, para mim, não foram bem explorados. Por outro lado, a autora faz um trabalho magnífico em proporcionar-nos um sentimento de nostalgia, de saudade pelo Antes, mas ao nível da dor, do que deve ter sido aquele momento e os momentos depois, dá-nos quase como um relato: aconteceu isto, isto, isto. Não há emoção.
Foi a primeira vez que uma sinopse me induziu em erro. Na sinopse, Puros «é também uma história de amor» e, apresenta-nos Pressia e Partridge e automaticamente, pela lógica e experiências passadas, associamos que Pressia e Partridge vão tornar-se num casal. E a verdade é que é uma boa ideia, induzir o leitor(es) em erro porque o laço que os une é óbvio, após as primeiras vinte páginas. Quando Partridge conta, pela primeira vez, a história que a mãe lhe repetia vezes sem conta, eu só conseguia pensar o quão idiota Partridge podia ser? Se a autora coloca Partridge a questionar TUDO como se fossem pistas que levassem à mãe. COMO é que desde o momento em que isso acontece, Partridge continua a referir-se à canção como infantil? Uma canção que a mãe repetia sem cessar. Como é que ele leva uma frase à letra "tem sido" e mil outras coisa que incluem um cartão de aniversário e um pendente com "minha fénix" escrito, mas não pensa numa música que a mãe não parava de lhe repetir? Como?
Puros foi, como já disse, um livro frustrante porque não há lógica por detrás das acções e, pior do que tudo, por detrás das explicações! O plano era Partridge fugir e encontrar a mãe e os medicamentos associados mas, o PLANO em si, é totalmente desprovido de lógica. Não tem sentido absolutamente nenhum. Isto para não falar da razão pela qual HÁ uma Cúpula. Um único homem conseguiu destruir a civilização inteira? O que aconteceu aos governos dos outros países afectados para deixar que isto acontecesse?
Puros tem, para mim, um background fraco. Para mim a criação dos Poeiras e das Bestas, homens que se uniram à terra ou que se uniram aos animais, não funcionou. Não apreciei, de todo. Compreendo que existam mutações, provavelmente mutações que não conhecemos e aceito a fusão como a de Pressia, com a boneca que segurava na altura das detonações, entre outras, mas exacerbar ESSAS fusões a transformações completamente irrisórias, incluindo grupos de dez a oito pessoas, agrupadas - não. Também não apreciei a relação entre Lyda e Partridge porque pareceu-me exagerada, exactamente o oposto do que aconteceu com Pressia e Brandwell, cujo sentimento cresceu ao longo das páginas, mesmo com a separação, e até mesmo a relação entre Brandwell/ Partridge e Partridge/Pressia, foi melhor explorada, facto que motivou grande parte da leitura.
Há muitas questões, algumas delas, acredito que serão respondidas no próximo volume Fusão, outras acredito que nunca vão ser respondidas, por exemplo: O que aconteceu ao avô de Pressia? Quem era ele? Qual a ligação que os Willux tinham com os pais de Brandwell? E depois há as OUTRAS questões entre elas: Como é que o pai de Partridge não percebeu que a mulher estava grávida? São nove meses. Nove.
Eu tinha realmente altas expectativas para Puros que não foram, de todo, atingidas. Há demasiadas questões por responder que deviam ter tido resposta, há demasiadas inconsistências e incongruências no universo criado e, para mim, o que salvou MESMO a história, foram os protagonistas e as suas personalidades e a forma como a autora conseguiu transmitir na perfeição o sentimento de impotência e de saudade para as páginas do livro. Outra coisa que Puros "atira" com força contra o leitor são termos científicos ao nível da nanotecnologia, de refracção e de biologia e senti que precisava de compreender determinados assuntos para apreciar Puros na sua plenitude. Irei ler a sequela, Fusão, como é óbvio, quero saber o que acontece e se as minhas questões têm fundamento.
Outros títulos da colecção
*Puros
*Fusão
*Burn


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO