Blogs Portugal

Siga por Email

SinopseLaurel estava hipnotizada a olhar para as coisas pálidas com olhos grandes. Eram terrivelmente belas, demasiado belas para exprimi-lo com palavras. Laurel olhou no espelho outra vez, pousando os seus olhos nas pétalas que pairavam ao lado da sua cabeça. Pareciam quase asas. 

OpiniãoNo meio de Anna Dressed in Blood de Kendare Blake, comecei a reler O Beijo dos Elfos de Aprilynne Pike, para acabar a série, de uma vez por todas, já que tenho os próximos dois volumes - sendo que o último terei de adquiri-lo em inglês, uma vez que não está traduzido para português. Mas no início de Maio vai sair A Elite de Kiera Cass, pelo que ... PRIORIDADES. Coloquei Anna Dressed in Blood, ligeiramente de lado por uns dias.
Confesso que sou bastante céptica no que toca a livros sobre fadas, mas desde Wicked Lovely de Melissa Marr que os meus olhos abriram-se para este mundo e que a minha opinião a meio que mudou? Melissa Marr tem uma escrita cativante que quando dei por mim já tinha lido quase metade do livro. Outro ponto a favor de Wicked Lovely é a protagonista, uma jovem adulta que é retratada como tal. 
Mas isso não acontece em O Beijo dos Elfos de Aprilynne Pike. Um dos pontos não tanto a favor da protagonista é o facto de ser retratada por, t-o-d-o-s os personagens, secundários ou não, como perfeita. Uma rapariga de rosto angelical, delicada e doce. 
A minha empatia para com a protagonista demorou algum tempo a aparecer. Foi o tempo necessário até começarem a aparecer os "traços maus", os defeitos, que me fizeram começar a gostar de Laurel. Mas, por outro lado, Laurel tem uma personalidade demasiado "camaleão", quase como se fosse uma pessoa diferente para cada uma das pessoas na sua vida, excepto com Tamani, ao que parece. Com Tamani, uma das melhores personagens do livro, Laurel é EFECTIVAMENTE, uma rapariga de quinze anos - ou de dezanove se quisermos ir pelos anos de fada - e reage como tal. 
Não posso dizer que é um ÓPTIMO livro, mas é uma leitura agradável. É fácil de ler, a escrita é simples e apelativa e os traços que a autora dá à protagonista (exceptuando a perfeição) e a forma como se relacionam com a sua verdadeira natureza de planta, são realmente interessantes e dão outro tom à história e, mesmo a forma como as asas/flor aparece é gradualmente dramática e não repentina como muitas vezes acontece em livros do mesmo género. 
Mas para mim, Aprilynne Pike "pecou" ao criar personagens humanos demasiado perfeitos. David, aparentemente sem defeitos, demasiado prestável, demasiado bom e Chelsea que, apesar de gostar de David "entrega-o" a Laurel porque quer vê-lo somente feliz? Qual era a rapariga de quinze anos que: 1. teria esse discurso; 2. não mostraria qualquer sinal de ciúmes; 3 repito novamente, teria esse tipo de discurso altruísta? Aprilynne Pike criou estes personagens demasiados maduros para a idade, que mesmo apesar dos traços que os definem, acabam por não ser realistas, pelo menos para mim. Chelsea, apesar de dizer tudo o que lhe vem à cabeça, acaba por ser uma personagem sem conteúdo absolutamente nenhum cuja existência seria facilmente dispensável, pelo que a presença de Tamani, demasiado ciumento, protetor e a roçar o sarcástico, acaba por ser não uma lufada, mas uma explosão de ar fresco. 
Não gostei particularmente do mundo das fadas, em si, principalmente da parte que vai até ao Rei Artur, Merlin, Excalibur e Avalon, mas aguentei. As coisas começaram a ficar mais interessantes com os Trolls mas, mesmo assim, sinto que falta conteúdo. Não que não tenha gostado das fadas em si, porque, como já disse, adorei os traços bastante peculiares que a autora deu a Laurel e à forma como as fadas SÃO, mas não gostei do mundo delas. É um equilíbrio bastante precário, eu sei. 
Do mesmo modo, houve cenas que eram desnecessárias como a cena com Chelsea do farol, quase que para impingir o leitor a gostar de Chelsea e a aceitar a amizade dela com Laurel. MAS, houve também cenas muito boas, como a do rio ou as que retratam a história passada de Laurel enquanto fada e a sua relação com Tamani porque, para mim, o Elfo é o único portador de algum tipo de emoção dentro do bolo de personagens de Aprilynne Pike.
Outros títulos da colecção: 
*O Beijo dos Elfos
*Feitiços
*Ilusões
*Destined


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO