Blogs Portugal

Siga por Email

Sinopse: Clara Gardner descobriu há pouco tempo que é uma sangue-de-anjo. Ter sangue de anjo a correr-lhe nas veias, faz com que fique mais inteligente, mais forte e mais rápida do que os humanos. Significa também, que tem um propósito. Uma razão para ter sido colocada na terra. No entanto, descobri-lo, não é fácil. As suas visões de um enorme incêndio florestal e de um rapaz atraente que ela não reconhece, levam-na para uma nova escola, numa nova cidade. Quando conhece Christian, o rapaz dos seus sonhos (literalmente), tudo parece encaixar no lugar - e, ao mesmo tempo, fora do lugar. Afinal, existe Tucker, outro rapaz que apela ao lado menos angélico de Clara. Ela deseja apenas encontrar o seu caminho num mundo que já não compreende. Mas encontra perigos invisíveis e escolhas que nunca pensou ter de fazer - entre a honestidade e o engano, o amor e o dever, o bem e o mal. Quando o incêndio da sua visão finalmente acontecer, estará Clara preparada para enfrentar o seu destino? Uma história comovente sobre o amor e o destino. Sobre a luta entre o desejo de cumprir as regras e o de seguir o coração.

OpiniãoCelestial de Cynthia Hand é qualquer coisa de bom. Desde a primeira página que o elemento sobrenatural da história é desvendado. Clara é um anjo. Ponto. Recuamos até ao momento em que o descobriu? Sim. Mas não permanecemos lá mais do que quatro ou cinco páginas. Ela é mais rápida, mais inteligente e mais forte que os humanos. Ela tem asas que pode chamar a qualquer momento. Ela está a aprender a voar. E, mais importante: Ela tem um propósito na Terra.
Se há uma coisa que Celestial aborda de forma magnífica é a questão: O que raio estamos aqui a fazer? Porque é que nascemos? Qual o sentido da vida? Essas são questões fundamentais que são levadas à letra, que implicam uma mudança de casa, momentos um tanto ou quanto a roçar o stalker e uma pintura de cabelo não muito artística.
Celestial é um livro maravilhoso e Clara é uma óptima protagonista. Ela é uma adolescente de dezasseis anos, com todas as dúvidas que uma adolescente normal tem e, muitas das vezes, o que salva certos momentos mais aborrecidos é o seu sarcasmo e a sua ironia face às situações em que se coloca.
Para além de Clara há um conjunto de outros personagens, cada um com a sua própria personalidade e conflitos, o que torna Celestial uma leitura mais do que interessante porque: nem tudo gira à volta de Clara, embora tenhamos apenas o seu ponto de vista, que é suficiente.
Claro que tinha de haver um triângulo - não há sempre? - amoroso e embora haja uma força que a empurra constantemente para Christian, inclusive a sua própria mãe, não gosto da forma como Clara se comporta na sua presença. Ela perde o seu magnetismo, a sua ironia e o seu sarcasmo e transforma-se numa adolescente tola ao contrário do que acontece com Tucker, onde o seu mau génio vem ao de cima.
Há todo um conjunto de revelações ao longo das páginas e algumas são rápidas, como Ângela, e outras mais lentas, como Christian e, embora no final tudo faça sentido, não desgostei, mas não morri de amores por ele. Não há um sentimento de "okay, isto aconteceu por isto, isto e isto". Há mais uma sensação de: "E agora?", o que percebo visto tratar-se de uma trilogia. No entanto, há mil caminhos diferentes que podemos percorrer e há pequenas coisas que quero ver desvendadas já que a mãe de Clara parece insistir que "a ignorância é o melhor caminho", coisa que acho extremamente frustrante, principalmente quando há material para criar uma história fantástica.
Celestial é perfeito no sentido de realidade. Eu consigo imaginar uma situação em que Clara existe. Não há elementos demasiado fantasiosos, ou talvez seja somente pela forma como é escrito, porque estamos na cabeça de Clara e conseguimos, com facilidade, pôr-nos no seu lugar. As relações que se estabelecem entre Clara-Christian e, principalmente, entre Clara-Tucker são incrivelmente naturais, a um ritmo realista, diferente de outros livros do mesmo género, onde o amor, não uma paixoneta, mas amor, amor, está presente desde a primeira página.
Celestial peca talvez pelo seu início algo...lento. A primeira dúzia de páginas é muito procurar, procurar, procurar, e as coisas tornam-se realmente interessantes quando as outras personagens são postas na figura, o que demora cerca de cinquenta páginas, pelo que não esperamos muito.
Outros títulos da colecção
*Celestial
*Anjo Sombrio
*Boundless


2 Comentários

  1. Pois, eu comecei a ler este, mas parei nas primeiras páginas, pela seca que estava a apanhar. Mesmo assim medi de lado para um dia tentar novamente, pois parecia-me ter potencial. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse, o livro peca realmente pelo início lento, mas depois, para mim pelo menos, transformou-se num livro maravilhoso :)

      Excluir

Tens uma opinião? 3,2,1 GO